Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera atingem outra alta | Organização Meteorológica Mundial

por Agar, em 26.11.19

1 b4pEsei8YohFjXqQCt7PGg.png

Mais um ano, outro recorde

Genebra, 25 de novembro de 2019 — Os níveis de gases de efeito estufa na atmosfera atingiram outro novo recorde, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial. Essa tendência contínua de longo prazo significa que as gerações futuras serão confrontadas com impactos cada vez mais severos das mudanças climáticas, incluindo temperaturas crescentes, clima mais extremo, estresse hídrico, aumento do nível do mar e perturbações nos ecossistemas marinhos e terrestres.
O Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM mostrou que as concentrações médias globais de dióxido de carbono (CO2) atingiram 407,8 partes por milhão em 2018, acima das 405,5 partes por milhão (ppm) em 2017.

O aumento de CO2 de 2017 a 2018 foi muito próximo ao observado de 2016 a 2017 e logo acima da média na última década. Os níveis globais de CO2 ultrapassaram as simbólicas e significativas 400 partes por milhão de referência em 2015.
O CO2 permanece na atmosfera por séculos e nos oceanos por mais tempo. As concentrações de metano e óxido nitroso também aumentaram em quantidades maiores do que na década passada, de acordo com observações da rede Global Atmosphere Watch, que inclui estações no remoto Ártico, áreas montanhosas e ilhas tropicais.

Desde 1990, houve um aumento de 43% no forçamento radiativo total — o efeito do aquecimento no clima — pelos gases de efeito estufa de longa duração. O CO2 é responsável por cerca de 80% disso, segundo dados da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA citados no Boletim da OMM.
“Não há sinal de desaceleração, muito menos de um declínio, na concentração de gases de efeito estufa na atmosfera, apesar de todos os compromissos do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas”, disse o secretário-geral da OMM Petteri Taalas. “Precisamos traduzir os compromissos em ação e aumentar o nível de ambição em prol do futuro bem-estar da humanidade”, disse ele.

“Vale lembrar que a última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO2 foi de 3–5 milhões de anos atrás. Naquela época, a temperatura era de 2–3 ° C mais quente, o nível do mar era 10–20 metros mais alto do que agora ”, disse Taalas.

Gap de emissões

O Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM informa sobre as concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa. As emissões representam o que entra na atmosfera. As concentrações representam o que resta na atmosfera após o complexo sistema de interações entre a atmosfera, biosfera, litosfera, criosfera e oceanos. Cerca de um quarto do total de emissões é absorvido pelos oceanos e outro quarto pela biosfera.
Não se estima que as emissões globais atinjam o pico até 2030, muito menos até 2020, se as políticas climáticas atuais e os níveis de ambição das Contribuições Determinadas Nacionalmente (NDCs) forem mantidos. As descobertas preliminares do Relatório de Gaps de Emissões de 2019 indicam que as emissões de gases de efeito estufa continuaram a aumentar em 2018, de acordo com um capítulo avançado do Relatório de Gaps de Emissões lançado como parte de uma síntese do United in Science para a Cúpula de Ação Climática do Secretário-Geral da ONU em setembro. O relatório da United in Science, que reuniu as principais organizações parceiras no domínio da pesquisa global sobre mudanças climáticas, sublinhou a lacuna evidente — e crescente — entre as metas acordadas para combater o aquecimento global e a realidade real.

“As conclusões do Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM e do Relatório de Gap de Emissões do PNUMA nos apontam em uma direção clara — neste período crítico, o mundo deve oferecer ações concretas e intensificadas sobre emissões”, disse Inger Andersen, diretor executivo do Programa Ambiental da ONU. (PNUMA). “Enfrentamos uma escolha gritante: acionar as transformações radicais de que precisamos agora ou enfrentar as conseqüências de um planeta radicalmente alterado pelas mudanças climáticas”.
Um Relatório de Lacunas de Emissões separado e complementar da ONU Meio Ambiente será lançado em 26 de novembro. Agora em seu décimo ano, o relatório Emissions Gap avalia os estudos científicos mais recentes sobre as atuais e estimadas futuras emissões de gases de efeito estufa; eles os comparam com os níveis de emissão permitidos para o mundo progredir em um caminho de menor custo para alcançar os objetivos do Acordo de Paris. Essa diferença entre “onde provavelmente estamos e onde precisamos estar” é conhecida como lacuna de emissões.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a Cúpula deu “um impulso no momento, na cooperação e na ambição. Mas ainda temos um longo caminho a percorrer. ”
Isso será levado adiante pela Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que será realizada de 2 a 15 de dezembro em Madri, Espanha, sob a presidência do Chile.

Principais conclusões do Boletim de Gases de Efeito Estufa

O boletim inclui um foco em como os isótopos confirmam o papel dominante da combustão de combustíveis fósseis no aumento do dióxido de carbono atmosférico.
Existem várias indicações de que o aumento dos níveis atmosféricos de CO2 está relacionado à combustão de combustíveis fósseis. Os combustíveis fósseis foram formados a partir de material vegetal há milhões de anos e não contêm radiocarbono. Assim, sua queima adicionará à atmosfera CO2 livre de radiocarbono, aumentando os níveis de CO2 e diminuindo seu conteúdo de radiocarbono. E é exatamente isso que é demonstrado pelas medições.

Dióxido de carbono

O dióxido de carbono é o principal gás de efeito estufa de longa duração na atmosfera, relacionado às atividades humanas. Sua concentração atingiu novos máximos em 2018 de 407,8 ppm, ou 147% do nível pré-industrial em 1750.

O aumento de CO2 de 2017 a 2018 ficou acima da taxa média de crescimento na última década. A taxa de crescimento média de CO2 durante três décadas consecutivas (1985–1995, 1995–2005 e 2005–2015) aumentou de 1,42 ppm / ano para 1,86 ppm / ano e para 2,06 ppm / ano com as maiores taxas anuais de crescimento observadas durante o El Niño eventos.

O Índice Anual de Gases de Efeito Estufa da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) mostra que, de 1990 a 2018, o forçamento radiativo por gases de efeito estufa de vida longa (LLGHGs) aumentou 43%, com o CO2 representando cerca de 80% desse aumento.

Metano

O metano (CH4) é o segundo gás de efeito estufa de maior duração e contribui com cerca de 17% da força radiativa. Aproximadamente 40% do metano é emitido na atmosfera por fontes naturais (por exemplo, áreas úmidas e cupins), e cerca de 60% vem de atividades humanas como criação de gado, agricultura de arroz, exploração de combustíveis fósseis, aterros e queima de biomassa.

O metano atmosférico atingiu uma nova alta de cerca de 1869 partes por bilhão (ppb) em 2018 e agora é 259% do nível pré-industrial. Para o CH4, o aumento de 2017 para 2018 foi superior ao observado entre 2016 e 2017 e à média da última década.

Óxido nitroso

O óxido nitroso (N2O) é emitido para a atmosfera de fontes naturais (cerca de 60%) e antropogênicas (aproximadamente 40%), incluindo oceanos, solo, queima de biomassa, uso de fertilizantes e vários processos industriais.

Sua concentração atmosférica em 2018 foi de 331,1 partes por bilhão. Isso representa 123% dos níveis pré-industriais. O aumento de 2017 para 2018 também foi maior do que o observado de 2016 para 2017 e a taxa média de crescimento nos últimos 10 anos.

O óxido nitroso também desempenha um papel importante na destruição da camada estratosférica de ozônio, que nos protege dos raios ultravioleta nocivos do sol. É responsável por cerca de 6% da força radiativa por gases de efeito estufa de longa duração.

Notas para editores

O Programa Global Watch de Atmosfera da OMM coordena observações e análises sistemáticas de gases de efeito estufa e outras espécies-traço. Cinquenta e quatro países contribuíram com dados para o Boletim de Gases de Efeito Estufa. Os dados de medição são relatados pelos países participantes e arquivados e distribuídos pelo World Data Center para Gases de Efeito Estufa (WDCGG) na Agência Meteorológica do Japão.
Para mais informações, entre em contato com: Clare Nullis, oficial de mídia. Email cnullis@wmo.int. Celular +41 79 709 13 97

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:10

O grupo católico "Arautos do Evangelho" é alvo de investigação do Ministério Público por abuso psicológico e humilhações

por Agar, em 08.11.19

4187A66500000578-0-image-a-11_1497810306752.jpg

O grupo católico “Arautos do Evangelho” é alvo de investigação do Ministério Público por abuso psicológico e humilhações em internatos na Serra da Cantareira, em São Paulo. O caso foi revelado em reportagem do Fantástico, da TV Globo, ontem.

Foram ouvidas mais de 20 pessoas, entre ex-arautos e pais de crianças e adolescentes, que vivem isolados. Os relatos são de uma rotina de alienação, sem contato com o mundo exterior. A situação foi confirmada por laudos feitos a pedido do MP.

Desde o início do ano passado, as denúncias ao Ministério Público foram feitas por 40 pessoas, na cidade de Caieiras, na região metropolitana de São Paulo, onde ficam os castelos do grupo. Também há relatos de assédio e estupro.

As mães ouvidas pelo Fantástico contam que começaram a desconfiar quando notaram uma mudança de comportamento nos filhos e afirmam que os Arautos estimulam o afastamento da família.

“Minha filha virou um robô. Minha filha não existe. Ela não tem amor pela gente, não tem carinho, não tem nada. Ela é um robô”, lamenta uma delas, que não quis se identificar.

Entre as 23 pessoas ouvidas pela reportagem, doze foram citadas no inquérito aberto no MP. Todas relatam situações parecidas.

Video 1

Com o demônio não se brinca

https://rutube.ru/video/54387dbd37c66946c219ac1c38f5ec0d/

Video2

João Clá um perigo para a Igreja Católica

https://rutube.ru/video/9233ee2b2cc7fcd471aabec4d3a0ec96/

Video3

Reportagem Globo https://ok.ru/video/1330180131462

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:13


Este site tratará de assuntos diversos.

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D